Os médicos descobriram o que os pais haviam feito com o menino e sabiam que ele estava perdido. Mas um mês depois, um desconhecido o resgatou.

Os médicos descobriram o que os pais haviam feito com o menino e sabiam que ele estava perdido. Mas um mês depois, um desconhecido o resgatou.

Realmente o mundo esta cada vez mais confuso e com uma boa falta de valores. Convínhamos que em determinadas alturas da vida temos que ser mais e melhores, por vezes alguém depende de nós por razões que não se podem questionar, mas sim abraçar. É o caso de Dima Kalekin, uma criança ucraniana que nasceu com hidrocefalia, mas quando os seus pais viram, fugiram do hospital, para nunca mais regressarem. Dima foi então reencaminhada para um orfanato para crianças com deficiências, no leste do país.

Passados 4 anos, Dima tinha sérias dificuldades, não conseguia andar nem comer com talheres. Os funcionários do orfanato tinham pouca esperança que viesse a conseguir ter uma, dentro da sua condição, vida mais normal, mas mantinham a esperança. Mas quando tudo parecia estar a levar um sentido mais positivo, eis que mais uma adversidade iria ser posta no caminho desta criança.

A guerra no leste Ucrânia tinha chegado, centenas de milhares de pessoas estavam numa situação de perigo eminente, assim como Dima e tantos outros órfãos, já que o orfanato localizava-se mesmo na zona de guerra. Os funcionários passaram semanas a fugir de um lado para o outro, os alimentos estavam a acabar bem como os medicamentos, ate que um grupo de separatistas ao verem que estas pobres crianças estavam muito perto de um desfecho terrível, concordaram leva-los ate junto das autoridade ucranianas.


As crianças foram então levadas para um hopital que se localizava em Charkow, e quando os médicos viram Dima não conseguiram conter as lagrimas, parecia estar mais morto do que viva a criança. Ficaram de tal forma perturbados e desesperados que entraram em contacto com um padre para que rezasse para o menino encontrar uma família.

E assim foi, a sorte de Dima estava no seu alcance. Semanas depois de terem se mudado para um novo orfanato, um casal de Vermont , Estados Unidos, fez uma visita. Ernest e Ruth Chaves souberam das terríveis condições que a guerra havia causado e estavam determinados a adoptar uma criança daquela região. No instante em que eles puseram os olhos em Dima, eles souberam que seria ele.

Adopção não era algo novo para o casal, eles já tinham sete filhos adoptivos, então eles puderam contar com a experiência e preparar toda a documentação necessária em tempo recorde. Em Setembro de 2015, apenas dois meses após conhecerem o menino pela primeira vez, eles levaram Dima para casa para se juntar à numerosa família e deram a ele um novo nome: Zebadiah Chaves.

Cercado de sua nova e amorosa família, Zebadiah teve um progresso impressionante. Apenas dois dias após sua chegada, ele já conseguia se alimentar sozinho com uma colher.

Um ano depois, o menino desnutrido e quase morto que deixou a Ucrânia estava quase irreconhecível: Zebadiah conseguia falar, entender dois idiomas e estava a aprender a caminhar. Após vários exames, os médicos estavam convencidos de que o cérebro dele não havia sofrido nenhum dano maior por causa da doença, e que ele tinha excelentes hipóteses de se desenvolver como uma criança perfeitamente normal.
Um Grande Guerreiro, que finalmente encontrou um lar cheio de amor incondicional. Um exemplo para todos!!!